Blog

Como é a maior viagem de trem - Grande Expresso Transiberiano

Como é viajar de trem pela ferrovia transiberiana, atravessar 3 países continentais em uma das mais grandiosas viagens do mundo. Essa não é uma viagem de trem qualquer, mas uma experiência para a vida toda.

O Grande Expresso Transiberiano

 O Grande Expresso Transiberiano é uma das viagens mais grandiosas do mundo, que nos conduz através da China, Mongólia e Rússia, em uma histórica rota entre Pequim e Moscou

Dentre suas incríveis paisagens, somos levados às margens do maravilhoso Lago Baikal, as estepes mongóis e os encantadores cenários da Sibéria e Ásia.   

Por meio de uma única rota de trem, você pode conhecer a Praça Vermelha, a Cidade Proibida, a Grande Muralha, além da culinária, cultura e pessoas de três países diferentes.

O percurso clássico da Transiberiana vai de Moscou, na estação Yaroslav até Vladivostok. Cidades separadas por 9.288km. 

Mas a rota ficou ainda mais interessante quando se juntou a Ferrovia Transmongol e a Transmanchuriana, para ter como destino Pequim e uma imponente atração, a Grande Muralha da China.

Evidentemente, é possível fazer a rota sentido Leste ou Oeste. Você quer sair de Pequim ou Moscou? 

Atravesse 3 países de geografias incríveis, culturas diferentes em uma rota de 7.865km, dentro de um trem que anda em média 60km/h, o que torna digno de contemplar toda beleza pelo caminho. Isso sem contar as maravilhosas paradas. 

Um trem que soa como uma viagem marítima em terra firme, que se torna a nossa própria casa sobre trilhos. A hospedagem é excelente e conta com cabines confortáveis e bem equipadas.

São 4 diferentes possibilidades de comodidades para agradar e acolher a todos a bordo. Há banheiros com lavabo nas pontas dos vagões de dormitório. 

Somente as acomodações Deluxe contam com chuveiro, mas é possível tomar banho diariamente nas paradas. Com os nossos grupos, garantimos banheiros de hotéis ao longo do caminho.

Veja as opções de cabine:

- Standart Economy:

Cabines para 3 ou 4 pessoas, com duas camas superiores e duas camas inferiores. Ideal para famíliares e amigos que viajam juntos. 

- Standart Plus:

Cabine com duas camas superiores e duas camas inferiores, mas para uso de duas pessoas. Mais espaço para acomodar bagagens nas camas superiores.

- Silver Deluxe:

Cabine com uma cama superior e outra inferior. Acomodação confortável com banheiro, lavabo privado e chuveiro estilo wet-rom.

- Gold Deluxe:

A cabine de ouro é a mais espaçosa, com mesa e poltrona. Além de uma cama inferior e outra superior. Banheiro, lavabo e chuveiro privativo. 

Uma viagem que faz dos momentos comuns, ainda mais especiais. Como passar alguns dias dormindo, lendo, conversando, comendo, enquanto cenários surpreendentes passam pela sua janela.

E é quando bate aquela vontade de explorar, que o trem para e seguimos caminhando para descobrir cada país que cruzamos na ferrovia transiberiana, e claro, degustamos dos seus diferentes pratos culinários.

Na Rússia, os pratos são frutos da influências que vai do Extremo Oriente ao Báltico, com uma grande predominância de alimentos mais gordurosos, por conta do frio. Na China há uma intrigante variedade de iguarias regionais. 

Na cidade de Pequim se encontra um método muito comum de utilizar as frituras com o óleo de amendoim. E a Mongólia trás uma grande representação nos pratos mais nômades.

É uma incrível experiência, que nos leva a conhecer de diferentes culturas em uma única viagem. Uma inesquecível rota de trem!

 

A História da Ferrovia Transiberiana:

A construção da mais extensa ferrovia do mundo começou em 1891. Mas só a partir de 1916 é que as primeiras viagens começaram a transportar passageiros entre Moscou e Vladivostok

A obra foi um grande investimento do Império Russo, estando em jogo as riquezas da Eurásia Interior. Sua consolidação permitiu aproximar-se do Pacífico e ligar territórios remotos e inacessíveis.

Toda construção foi realizada em condições adversas de clima, principalmente durante o período de inverno. Boa parte de toda extensão da ferrovia era bem despovoada.

O trabalho foi realizado de forma braçal, sendo necessário muitos trabalhadores munidos de ferramentas simples, como machados, picaretas e serras. 

Mesmo assim, a cada ano, mais de 500 km eram construídos. Os caminhos eram abertos e os trilhos instalados

A grande ferrovia transiberiana foi fundamental para a economia e desenvolvimento da Rússia. Foi utilizada ao máximo de sua capacidade de fluxo, principalmente nos anos de guerra.  

 

Como é viajar pelo Grande Expresso Transiberiano?

Viajar pela Transiberiana é como viajar de trem de forma grandiosa. O Maurício, da Freeway fez essa viagem entre maio e junho de 2019 e narra um pouco da sua aventura e impressões pessoais nos próximos parágrafos:

Usando uma analogia antiga, pode-se dizer que as ferrovias da Rússia constituem o sistema circulatório vital para o país, cruzando dois grandes continentes. 

O mítico transiberiano transita por linhas diferentes; Fomos de Pequim a Ulaanbaatar de avião e de lá para Moscou pelo chamado Trans Mongol. 

Claro, as visitas a Pequim e Moscou representam uma atração adicional. Ulaanbaatar, na Mongólia, é uma cidade de contrastes que ainda é debatida na transformação para o capitalismo, que eles chamam de democracia. 

Trinta anos se passaram desde a perestroika, mas eles ainda não decidem claramente se estão melhores agora. O primeiro avanço que obtiveram do modernismo foi a corrupção, os recursos de mineração foram entregues à empresas espanholas e canadenses por meio de contratos organizados pelos herdeiros da burocracia estatal na época da União Soviética.

Diz-se que existem hoje 200 famílias que governam o país, que abandonaram os prazeres dos privilégios soviéticos para se adaptar à mudança de tempo. 

Trinta por cento dos mongóis são nômades hoje, uma parte importante dos habitantes de Ulan Bator estão instalados em yurts com um fogão no meio, onde muitas vezes queimar pneus velhos para lutar até quarenta graus abaixo de zero no inverno. 

Eles têm latrinas simples para banheiros e usam bem a água: não é um modelo com baixo impacto ambiental. Os russos deixaram o país de um dia para o outro e o país ficou sem direção ou destino. 

Agora eles estão construindo um futuro possível de acordo com suas opções escassas, depois de alguns anos de perplexidade. O exercício dos cidadãos começa a surgir timidamente, especialmente nas mulheres. 

Eles não sabiam quem era Genghis Kahn, mas tinham bons cuidados de saúde e serviços básicos

Confira nossa passagem pela Mongólia:

O trem entra na Rússia de madrugada e, pela primeira vez em nossas vidas, migramos para a cama. Então aceleramos porque precisamos cobrir seis mil quilômetros em uma semana, com paradas que duram muitas horas para visitar cidades diferentes. 

Os vagões tremem, foram construídas na Alemanha há trinta e cinco anos, mas estão bem preservadas. As refeições são boas e há um bar com bebidas diversas.

Chegamos a Ulan Ude, no leste da Sibéria, uma cidade de praças e monumentos bem conservados. A escola de teatro e balé surpreendeu aqueles que não sabiam até que ponto a cultura é um bem fundamental em qualquer lugar da Rússia. 

Ulan Ude:

Paramos no outdoor que promove a função de Rigoletto, enquanto um chefe enorme de Lenin preside a praça central. Nos edifícios, os símbolos comunistas seguem um ao outro. 

Pegamos um ônibus para visitar os antigos russos, aqueles que foram expulsos do país durante a reforma da Igreja Ortodoxa e depois voltaram, mas só puderam morar na Sibéria. 

Usos e costumes congelados no tempo, em sintonia com a região, desconfiam daqueles que oram menos de quatro horas por dia e nos oferecem uma canção coral apaixonada.

Para voltar ao trem, viajamos alguns quilômetros da rota mais longa da Rússia, a 11 mil quilômetros de Moscou a Vladivostok, no Pacífico e na fronteira com o Japão. Nosso guia nos adverte que no dia seguinte viveremos uma forte experiência no Baikal.

E assim foi, inesquecível. Nós viajamos uma seção da estrada de ferro reservada somente ao transiberiano, lentamente nas costas do Baikal impressionante. 

O lago tem mais de seiscentos quilômetros de comprimento e entre quarenta e oitenta de largura. É o mais profundo do mundo, com mais de mil e seiscentos metros. Algo como vinte por cento da reserva de água doce do mundo. 

Lago Baikal:

Saímos do trem e vamos para a praia com a certeza de que nenhuma foto será suficiente. Chegamos a Puerto Baikal e preparamos um piquenique no trem. Atravessamos de barco até Listvianka, onde há um lindo centro de visitantes e um instituto científico. A taiga está se impondo nos dois lados da estrada em direção a Irkutsk.

A "Paris da Sibéria" é apresentada banhada pelo sol quente. O rio Angara, que vem do Baikal, oferece uma dimensão diferente, ainda melhor do que os rios mais famosos da Europa. 

O clima nos favorece. Vamos visitar a antiga casa de um decembrista, que conspirou contra os czares no século XIX e foi exilado para a Sibéria. Contribuíram decisivamente para o progresso cultural da região, envolveram-se em atividades educativas e influenciaram fortemente o cotidiano. 

A casa mantém a sua decoração original e em um salão desfrutamos de um recital de piano e canto, onde se destaca uma excelente soprano. Nós brindamos com champanhe. Sim, estamos na Sibéria.

A paisagem desliza sem limites para o nosso passo, milhões de bétulas e amieiros dão origem, por vezes, a áreas semeadas. Vemos milhões de simples casas de madeira em pequenas aldeias, todas com uma horta e uma estufa: os siberianos devem garantir sua comida para o inverno durante o curto período de verão. 

Atravessamos muitos trens de carga, alguns com madeira que parece ter destino na China. De acordo com a visão popular, os chineses emergem como o grande inimigo no futuro, em favor de um novo capitalismo que é alimentado por maquinário incontrolável; eles compram tudo e lentamente um novo império se expande. 

Quem sabe o que nova dinastia está fermentando em Pequim, agora finalmente destinado a governar o mundo.

Chegamos a Krasnoyarsk para visitar o Museu da Vitória. 7 de maio é muito mais que um feriado na Rússia. Durante a guerra, enormes quantidades de instalações fabris se deslocaram do Ocidente para evitar o bombardeio. 

A Sibéria tornou-se a reserva produtiva segura da frente e milhões participaram com enorme sacrifício de um épico que atravessa os sentimentos dos russos para além da política e das ideologias. 

Os russos não guardam rancor contra a Alemanha, pelo contrário, estão unidos por laços ao longo da história que o nazismo não alterou.

A visita a Novosibirsk-nos reservar um momento agradável de argentinidad quando o nosso guia nos leva à Opera House, o maior teatro na Rússia, e nos diz é o nosso orgulho, o segundo no mundo após o Teatro Colón de Buenos Aires. 

Vamos ao mercado claro, qualquer viagem que valha a pena não pode deixar de visitar esses lugares que sintetizam muito da vida cotidiana. Nós andamos por barracas coloridas de condimentos, frutas, conservas, peixes. Eles nos oferecem para experimentar o caviar e não resistimos. As cem gramas custam cerca de quarenta dólares. 

Os mercadores vestidos com roupas coloridas predominam: cazaques, uzbeques, russos do leste. Eles já estão preparados para o turismo, eles nos mostram seus preços nas telas de máquinas de calcular.

Estamos prontos para entrar na Europa, chegamos a Yekaterinburg. Saímos da cidade e em poucos quilômetros encontramos um pequeno monumento com a linha divisória dos continentes. Mais uma anedota da viagem. 

Depois, visitaremos a Igreja do Despedimento, no lugar onde os bolcheviques mataram o czar Nicolau II e toda a sua família. A casa original foi demolida durante o governo de Boris Yeltsin e esta igreja foi construída. 

O czar e toda a família foram canonizados e transformados em ícones religiosos e o local apresenta muitas imagens da família imperial. O incessante confronto do comunismo com a Igreja deu origem a esta nova etapa, que o governo russo estimula paradoxalmente hoje.

Estamos chegando a Moscou, mas isso certamente dará espaço para novas histórias. Logo o trem vai deixar de ser nossa casa, voltamos para o oeste. Nós cruzamos uma região do planeta que estava em nossas melhores fantasias e não ficamos desapontados. 

Agora a memória começa e deixa para trás a emoção desta viagem que dominou os últimos meses. Uma parte da China, Mongólia e Rússia estará conosco para sempre. Nós revisamos as fotos com alegria e um pouco de melancolia. 

Assimilamos viagens e experiências e, como resultado, crescimento espiritual. Mas esta nota não deu espaço para tanto.

Chegada em Moscou:

Viaje com a Freeway!

A Freeway convida você para embarcar nessa experiência inesquecível com a gente. Está preparado para fazer a mais incrível viagem de trem? Confira nossas saídas e roteiros.

As nossas rotas vão de Oeste a Leste, ou de Leste a Oeste. Você pode começar em Pequim ou Moscou. Conheça um pouco mais dos nossos roteiros e descubra qual é a melhor opção para você. O Grande Expresso Transiberiano te espera! 

 

FALE COM NOSSO CONSULTOR